Comunicação

| Clipping

Melhor é jogar o mais pra frente possível, diz Tesouro sobre decisão do STF

29/04/2021

 - 

Fonte: Portal FolhaPE - Economia

Bruno Funchal afirmou que a decisão do STF sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo de PIS e Cofins é um riscos fiscal

O secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal, afirmou nesta quinta-feira (29) que a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre a exclusão do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) da base de cálculo de PIS e Cofins é um dos maiores riscos fiscais existentes hoje para a União.

O STF já determinou a exclusão no passado e o interesse do governo agora está na análise do recurso em que a União pede para o Supremo esclarecer o alcance da decisão.

"É um risco fiscal grande. Acho que é um dos maiores que a gente tem, e que vai ter uma repercussão muito significativa. A gente não tem espaço para mais perda de receita e isso vai gerar uma perda", afirmou. "Então a melhor modulação é jogar o mais para a frente possível [a data em que a decisão começaria a ter efeito]", disse.

Segundo ele, o tema ressalta a necessidade de discutir a reforma tributária. "Esse ponto traz para a gente a importância de discutir a reforma tributária para reduzir esse contencioso. Esse problema é reflexo do nosso sistema tributário", afirmou.

Não há uma certeza sobre o tamanho do prejuízo que uma decisão contra a União representaria. Segundo a Receita Federal, o potencial impacto econômico está na ordem de R$ 258,3 bilhões.

Perguntado, o Tesouro afirmou não saber a distribuição desse impacto ao longo dos anos.

Nesta quarta-feira (28), como mostrou a Folha de S.Paulo, o ministro Paulo Guedes (Economia) pediu ao presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, que o corte evite um prejuízo aos cofres públicos.

A reunião foi nesta quarta-feira (28), e o julgamento sobre o tema estava marcado para quinta (29) como segundo item da pauta.

Como a análise da ação sobre o prazo de proteção de patentes de medicamentos (previsto para ocorrer antes) se estendeu, o STF adiou para a próxima semana o julgamento relativo ao alcance da decisão sobre PIS/Cofins.

Os ministros irão julgar o recurso da União para que a decisão não tenha efeito e valha apenas para processos futuros. Assim, o governo acredita que evitará derrotas judiciais que podem impor prejuízos bilionários para o Executivo.

Caso prevaleça esse entendimento, as empresas garantiriam o direito de recolher PIS e Cofins sem o valor do ICMS embutido no cálculo, mas não poderiam pedir para o governo devolver o imposto que foi recolhido com base na fórmula antiga.

Veja mais