Planalto ganha queda de braço do ICMS sobre diesel - Sindicombustíveis

Comunicação

| Clipping

Planalto ganha queda de braço do ICMS sobre diesel

14/05/2022

 - 

Fonte: Pernambuco.Com - Economia

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) André Mendonça atendeu ao pedido da Advocacia-Geral da União (AGU) e suspendeu a forma como os estados vinham aplicando a alíquota única do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incide sobre o óleo diesel. Ao Correio, André Horta, diretor institucional do Conselho Nacional de Secretários Estaduais da Fazenda (Confaz) afirmou que o grupo irá recorrer da decisão.

Em março, a Lei Complementar nº 192, aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), definiu que deveria haver em todo o país uma alíquota única do tributo sobre o diesel.

Os governos estaduais fixaram, por meio de convênio, um teto do ICMS a ser cobrado no preço final do combustível. Mas o acordo permitia a concessão de descontos, o que na prática possibilita a cada estado manter a mesma alíquota que aplicava anteriormente. O valor estabelecido na ocasião foi de R$ 1,006 por litro de óleo diesel S10, o mais usado no país.

Segundo André Mendonça, "não se admitirá mais 27 alíquotas diferentes de ICMS, o que representa uma uniformidade e redução do valor do combustível e menor flutuação dos preços".

A decisão do ministro, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro, ferrenho crítico do ICMS cobrado pelos estados sobre os combustíveis, atendeu a um apelo da Advocacia-Geral da União. "A forte assimetria das alíquotas de ICMS enseja problemas que vão muito além da integridade do federalismo fiscal brasileiro, onerando sobretudo o consumidor final, que acaba penalizado com o alto custo gerado por alíquotas excessivas para combustíveis — que são insumos essenciais, e, por isso, deveriam ser tratados com modicidade — e com a dificuldade no entendimento da composição do preço final desses produtos", alegou a AGU, no pedido encaminhado ao STF.

Na ação, o governo argumentou que o Confaz contemplou "uma maneira inovadora de diferenciação de alíquotas de um mesmo produto" entre os entes regionais, permitindo que cada estado pratique sua própria política para o imposto.

De acordo com o conselho, o congelamento aplicado no ICMS de novembro de 2021 a abril deste ano, fez os estados renunciarem R$ 15,9 bilhões em receita. Caso a medida se estenda até dezembro deste ano, a redução dos orçamentos estaduais será de R$ 37,1 bilhões. "Se aplicar o que a AGU pede, aumenta o combustível em 30%", afirmou André Horta.

Alíquota nacional

Entre as unidades da Federação, a cobrança do ICMS tem uma variação considerável. O Correio procurou a secretaria da Fazenda de Santa Catarina antes da decisão do ministro André Mendonça. O estado catarinense já pratica as menores alíquotas de combustíveis do país, sendo 12% para o diesel e 25% da gasolina. "No Brasil, o ICMS do diesel pode chegar a 18,5% e da gasolina até 34%. O governo catarinense é contra a alíquota única nacional, pois a média elevaria o ICMS em Santa Catarina. Consequentemente, isso elevaria os preços no território catarinense, por isso o governo estadual não concorda", informou a secretaria catarinense, em nota. Os governos do Distrito Federal e do Rio de Janeiro não se manifestaram sobre o assunto.

Janssen Murayama, sócio do escritório Murayama, Affonso Ferreira e Brechbühler Advogados, explicou que a interferência viola o pacto federativo. "É uma nítida violação e interferência da União na competência tributária dos estados. Além do mais, a questão do preço da gasolina, etanol e do gás de cozinha e de ter mais produtos que estão sendo questionados, está prevista no convênio. Aprovado por todos os estados, então está tudo dentro da Constituição", disse.

Já Marcello Leal, advogado tributarista e sócio do Schuch Advogados, alerta para as fragilidades do acordo firmado entre os estados. "Tudo depende da interpretação do dispositivo que permite a redução e o restabelecimento das alíquotas. Embora não haja tanta clareza, parece-nos que a interpretação mais coerente seria a de possibilitar essa redução e restabelecimento de forma uniforme, sob pena de desvirtuamento da sistemática da alíquota única", explicou Leal.

Veja mais

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso site.
Ao utilizar nosso site e suas ferramentas, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Sindicombustíveis - Política de Privacidade

Esta política estabelece como ocorre o tratamento dos dados pessoais dos visitantes dos sites dos projetos gerenciados pelo Sindicombustíveis.

As informações coletadas de usuários ao preencher formulários inclusos neste site serão utilizadas apenas para fins de comunicação de nossas ações.

O presente site utiliza a tecnologia de cookies, através dos quais não é possível identificar diretamente o usuário. Entretanto, a partir deles é possível saber informações mais generalizadas, como geolocalização, navegador utilizado e se o acesso é por desktop ou mobile, além de identificar outras informações sobre hábitos de navegação.

O usuário tem direito a obter, em relação aos dados tratados pelo nosso site, a qualquer momento, a confirmação do armazenamento desses dados.

O consentimento do usuário titular dos dados será fornecido através do próprio site e seus formulários preenchidos.

De acordo com os termos estabelecidos nesta política, o Sindicombustíveis não divulgará dados pessoais.

Com o objetivo de garantir maior proteção das informações pessoais que estão no banco de dados, o Sindicombustíveis implementa medidas contra ameaças físicas e técnicas, a fim de proteger todas as informações pessoais para evitar uso e divulgação não autorizados.

fechar